quinta-feira, maio 01, 2008

EU SEI O QUE VOCÊ FEZ NO SÁBADO PASSADO


Por Letícia Vidica


Fazia dois meses que a Lili estava namorandinho com o canalha do Otávio. Mais uma vez, ele resolvera assumi-la à sociedade dentre tantas idas e vindas.

A Lili sempre foi completamente apaixonada pelo Otávio. O problema é que a recíproca não era verdadeira. Para não ficar só, ele voltava para ela quando convinha cheio de arrependimentos, desculpas esfarrapadas e buquês de flores. O Otávio fazia parte do clube dos canalhas. Era o tipo de homem que não perdoava ninguém, nem mesmo a mim e a Betina. Bastava ser mulher que ele caía dentro.

Nós já havíamos cansado de alertar a Lili para cair fora dessa, mas mulher apaixonada sempre fica boba, burra e cega.


Era sábado. Eu e a Pámela, minha colega lá da agência, havíamos marcado de ir a um bar para conversar um pouco. A noite estava ótima - quente e enluarada – e pedia uma cerveja gelada.

Meia-hora depois de fofocar sobre o pessoal da agência e de falar mal do chefe, algo me paralisou. O Otávio entrou no bar de mãos dadas com uma mulher e não era a Lili. Fiquei pálida. Apesar de desconfiar das puladas de cerca dele, nunca desejei ser a testemunha ...

- O que foi, Diana?! Você ficou pálida de repente ...
- Disfarça, ta vendo aquele cara de blusa azul sentado naquela mesa ao lado do careca?
- Sei
- É o namorado da minha melhor amiga
- E por quê você não vai lá falar com eles?
- Porque aquela mulher não é a minha melhor amiga!

Tentei continuar a conversa, mas eu não podia deixar de olhar para os dois pombinhos. Que desculpa será que ele havia inventado para a boba apaixonada da Lili?

Antes que eu e a Pámela resolvêssemos ir embora, o Otávio e a amante se levantaram para ir. Porém, como a minha mesa ficava na rota do caixa, não teve como evitar o encontro. Ele me olhou com cara de assustado, mas tentou disfarçar...

- Oi, Otávio, tudo bem? Que surpresa!
- Oi, Diana.
Essas foram as únicas palavras que trocamos.


Quase não dormi à noite pensando em como contar à Lili. E, se não bastasse ter sido testemunha da traição, a Lili havia marcado uma feijoada na casa dela no dia seguinte.
Quando cheguei o Otávio ainda não estava lá ...

- E aí meninas, o que fizeram ontem? – perguntou Lili
- Aluguei um DVD e não saí de casa – respondeu Betina
- E você, Di?

Como eu preferia que ela não tivesse feito essa pergunta. Eu podia ter dito que fui a um bar e vi o namorado dela com outra, mas não era o momento.

- Saí com uma colega lá da agência e você?
- Ah, fiquei preparando as coisas para a feijoada.
- Ué não viu seu príncipe? – perguntou Betina
- Ele teve uma reunião lá do time de futebol. Vão participar de um campeonato na semana que vem.

Reunião do time de futebol num sábado à noite? Essa foi a pior que já ouvi. Pior ainda foi que a Lili acreditou! Eu tinha que contar a verdade, mas fomos interrompidas pela campainha. Era o Otávio. Ele me cumprimentou como se nada tivesse acontecido e agiu normalmente o resto do dia. Quase me convenceu de que era um homem fiel apaixonado, se não fosse a cena que vi ontem...

- Tô te achando meio estranha, Di. O que foi? – perguntou Betina enquanto fumávamos no quintal.
- Preciso te contar uma coisa mas, por enquanto, tem que ficar de bico calado...ontem à noite,o Otávio não estava na reunião do time .... eu o encontrei lá no bar que eu fui com a Pamela e ele estava com outra mulher...
- O quê?! – engasgou-se Betina com a tragada do cigarro – Que cachorro! E você quer que eu fique quieta?!
- Pelo menos por hoje. Eu to tomando coragem para contar para Lili ... olha só como ela está apaixonada!
- Antes sofrer de amor do que de dor de corno! Mas tudo bem, desde que você conte e não demore. Se não, conto eu.

A feijoada havia acabado e eu e a Betina estávamos sem carro. Então, a Lili insistiu que o Otávio nos levasse. Fomos mudos o caminho todo, ouvindo Paralamas. Ele deixou a Betina e, quando se dirigia para o meu prédio, disse...

- Obrigado Diana.
- Pelo quê?
- Por não ter falada nada sobre ontem para a Lili
- E você ACHA que eu não vou contar?
- Deixa que eu faço isso.
- Duvido que você seja homem para isso
- Eu mudei, Diana.
- Só se for para pior ... te dou 24 horas para contar, se não conto eu!

Foi a pior bobagem que eu fiz. Como podia acreditar que o cafajeste do Otávio falaria a verdade? Mas resolvi dar um voto de confiança. Uma semana depois, Lili me ligou me chamando para a festinha surpresa que ia fazer para o ‘Tavinho’ no sábado à noite...

- Festa surpresa para o ca... o Otávio? Sábado? E ele não te disse nada?
- Sobre o quê?
- Sobre sábado passado...
- Ah que vocês se encontraram? Disse sim. Ele falou que encontrou você no bar. O Tavinho encontrou uma velha amiga do colégio quando saía do clube e os dois foram beber uma cerveja juntos. Mundo pequeno não? Ela vai estar aqui no sábado. Ah, vou precisar da ajuda de vocês... beijinho.

Amiga do colégio? Festa de aniversário surpresa? Enrolar docinhos para o galinha? A Lili só podia estar louca e eu mais ainda. Sem escolhas, eu e a Betina fomos bancar a mestre cuca da festa do traidor...

- Olha esse brigadeiro, Betina, tá muito grande... o Tavinho não gosta.
- Por falar nele e vocês? – perguntei
- Nunca estivemos melhor. O Otávio mudou bastante. Está mais presente, mais carinhoso... estou perdidamente apaixonada por ele.

Eu e a Betina nos olhamos com cara de quem diz ‘E agora, José?’.

- E você confia nele?
- Que pergunta, Betina... de olhos fechados.

Depois de enrolar beijinhos, brigadeiros, coxinhas e risoles estava tudo pronto. Os convidados já estavam lá. O Otavio chegou junto com a tal da amiga. Acredita que a idiota da Lili pediu para ela despistá-lo? Aposto que ela cumpriu o trato direitinho. Ele fez cara de surpresa, beijou Lili, fez declaração de amor e curtiu a festa como o namorado perfeito.

Aproveitei um momento de distração da Lili e me aproximei do calhorda...

- Parabéns, Otávio!
- Obrigada, Diana
- Como você pode ser tão canalha e enganar a Lili na cara dela? Amiga do colégio?! Aposto que essa vagabunda te levou para um motel barato, enquanto a pobre da Lili se descabelava para fazer a festinha.
- Eu não disse que ia contar?
- A verdade!
- Pois então, a verdade depende de quem vê. Essa é a minha verdade.

Antes que eu cuspisse na cara dele, a Lili se aproximou...

- Precisando de algo, amorzinho?
- De você.
Como era cínico!

- Estavam falando sobre o quê?
- Sobre sábado passado – eu disse
- Coincidência vocês se encontrarem não?
- Foi Deus quem me mandou lá. Assim eu pude ver o Otávio com a outra.
- Outra?! A Priscila?! Ela é amiga dele.
- Acorda, Lili! Você não está vendo que o Otávio tá te enganando? Essa Priscila é...
- Minha amiga de colégio – disse o calhorda rapidamente
- Você só pode estar cega e burra ... esse cara não vale nada!
- Olha aqui, Diana, esse cara é o homem da minha vida e eu não admito que você fale mal dele na minha casa.
- Tudo bem, Lílian, se o problema é falar mal do Don Juan na sua casa, eu saio.

Fui embora e me arrependi burramente de tentar alertar a Lili sobre o Otávio. Demorei demais porque ela já estava cega de amor. Ficamos um mês sem nos falarmos. Além de trair, aquele canalha havia conseguido destruir nossa amizade. A Lili não me ligava mais e parecia ter me excluído da sua vida e tudo por causa de um homem que não vale meio fio de cabelo.

Numa segunda-feira à noite, voltando cansada do trabalho, encontrei a Lili parada na porta do meu prédio. Ela perguntou se podia subir e entramos.

- Bem, eu nem sei por onde começar ... ai, amiga, me desculpe – disse ela correndo para me abraçar – eu fui uma idiota ... vocês sempre tentaram me alertar, mas eu não via ... o Otávio não vale o que come... eu o peguei no flagra com a tal da Priscila ... terminamos. Me perdoe por não ter acreditado em você.
- Eu sou mulher, Lili... e nós somos amigas.

Nos abraçamos e choramos feito duas bobas. Ela acho que por arrependimento e eu por ter feito a coisa certa. Agora o que me restava era esperar a poeira baixar e ser, mais uma vez, testemunha de uma traição do Otávio porque eles iam reatar (eles sempre reatam) e alertá-la novamente. Mas o que é mais uma vez para quem já fez tantas?


PAPO DE CALCINHA: VOCÊ JÁ DEU O FLAGRA NO NAMORADO DA SUA AMIGA?

2 comentários:

Fernanda disse...

Leeeeeeeeeeeeeee, que raiva desse Otávio. E realmente, que idiota essa menina em não acreditar na amiga. É...coisas de mulher cega e apaixonada! Todas nós passamos por isso.
Beijooooo Fê!

paula disse...

Uma amiga certa vez flagrou meu manorado com outra,e me contou,eu armei pra ele,pois eu queria provas,então eu fui onde ele estava se encontrando com ela,fiquei de tocaia, e pequei os dois,ele não teve como negar,.....