segunda-feira, setembro 06, 2010

TÔ CARENTE


Por Letícia Vidica

- Ih, Diana, que cara é essa? – perguntava Lili ao me ver vestida de moleton, meia, chinelo e deitada no meu sofá numa noite quente de sábado.

- Tô carente! – eu confessava.

Eu estava passando por mais uma daquelas fases de carência afetiva incuráveis. Daquelas bem bravas que nem um brigadeiro de panela e o filme Titanic estavam curando.

- Ninguém me ama, ninguém me quer.

- Mas achei que você ainda estava com aquele gatinho...

- Que nada! Sumiu. Como todos os outros. Já olhei na minha agenda do celular e vi que estou super desatualizada, nenhum número novo para chamar de meu...

- Amiga, alto astral. Pode tomar um banho, colocar um roupinha e vamos para balada. Não existe lugar melhor para curar essa carência.

Para a Lili era na balada que tudo se resolvia. Ela costuma dizer que a noite é a cura de todos os males. E, naquela noite, ela acreditava que seria a cura do meu mal. E eu também.

Em menos de duas horas, estávamos na fila da balada mais badalada da cidade vestidas para matar.

- Diana, dá para mudar essa cara de bosta? Como você quer arrumar alguém com essa cara de velório?

- Ai, Lili, eu não tô legal. Acho que eu vou embora.

- Nada disso! – dizia Lili me puxando pelo braço – olha só quantos gatinhos! Relaxa e confia em mim.

Resolvi confiar. Entramos e logo nos encostamos no bar para beber algo. Lili foi logo pedindo a sua tradicional vodka e eu ainda olhava indecisa o que eu pediria.

- Um duplo para mim e um daqueles coquetéis especiais para gatinha aqui. – dizia o homem ao meu lado. – Se importa?

- É claro que ela não se importa – respondia Lili por mim.

- Prazer, Luis Gustavo. E qual o nome dessa princesa?

- Ela se chama Diana. – mais uma vez ela respondia para mim. Eu estava tão desanimada e desatenta que mal conseguia ver o gato que começava a me paquerar.

Ele estendeu a mão e eu continuei estática até a Lili me dar um beliscão e eu sair daquela transe.

- Ops, desculpe, é que eu não estou muito bem hoje.

- E posso saber por que uma gata linda dessas está triste?

Minha vontade era de responder que era porque ninguém me queria, que eu seria eternamente uma encalhada e que eu estava carente. Mas acho que de nada adiantaria me abrir para ele.

- Uns probleminhas, mas nada demais. Não quero estragar a sua noite.

- Estragar? Te conhecer só melhorou a minha noite.

Diante da minha carência exacerbada, resolvi ficar com o cara a noite toda e escutando aqueles xavecos baratos de balada. Eu estava precisando de uma massagem no ego né? Ficamos, demos uns beijinhos e amassos. Ele até sugeriu que eu fosse para o apartamento dele, mas não era o que eu queria.

- Como assim? Um Deus de ébano te oferece uma noite de amor e você recusa? – perguntava Lili abismada com a minha negativa enquanto voltávamos para casa.

- Vai devagar com o andor, Lili! Não é porque eu dei uns beijinhos no cara que sou obrigada a dar para ele!!!

- Depois reclama que está carente...

- E estou mesmo. E não vai ser na noite que eu vou me curar. Poxa, Lili. Estou cansada de sair, pegar um monte de caras, ouvir xavecos furados e não dar em nada. É tudo muito vazio. Me sinto uma boneca inflável! Não é isso que eu quero. Quero mais. – desabafei.

E eu realmente estava querendo mais. A noitada só tinha piorado a minha carência. Eu queria ter alguém para me envolver, alguém para dividir e somar comigo e não apenas um macho para me tirar do cio. Aquela balada só me fez perceber o quanto estava difícil encontrar um cara legal. E será que eu encontraria?

Passei o domingo bem down, assistindo filmes românticos melosos e a relembrar os bons momentos que vivi com o Pierre. Nesses momentos de carência, a gente quase sempre acaba lembrando de relacionamentos passados e a saudade começa a bater. E
sempre faço uma bobagem quando isso acontece. Foi o que eu fiz. Liguei pro Pierre.

- Oi, Diana, tudo bem? Quanto tempo!

- Pois é...liguei só para...só para...saber se você está bem. – mentira! Eu tinha ligado para implorar para ele voltar para mim ou para, pelo menos, me tirar daquela depressão afetiva profunda.

- Eu estou ótimo. E você? Fazendo o que de bom?

Adiantaria se eu dissesse que estava desesperada, carente e chororô?

- Ah, estou em casa de bobeira. Tá afim de bater um papo?

Combinamos de nos encontrar em uma hora e fomos ao bar do Pedrão beber umas cervejas. Eu apostava que aquele encontro me tiraria da carência profunda.

- Bom te ver, Di. Quais são as novidades?

- Novidades? – o que eu diria? – trabalhando bastante, saindo...

- Aposto que tá namorando também.

- Eu? Namorando? Que isso! Tô sem cabeça para isso agora. – mais uma daquelas mentiras femininas que sempre colam. Eu estava louca para namorar e ele podia ser o meu namorado né? – E você?

- Eu estou conhecendo uma pessoa aí...

Como assim? O Pierre estava com outra?

- Poxa, que legal. Espero que seja uma mulher bacana. Você merece!

Aquela revelação tinha me afundado ainda mais na minha carência. Percebi que o Pierre só me queria como amiga e que eu não mais fazia parte dos planos dele. Além disso, percebi a besteira que eu tinha feito ao sair com ele. O Pierre tinha conhecido uma garota e parecia bem empolgado com ela.

- Bê, eu não sei mais o que eu faço...até o Pierre já se arranjou. Já fui para balada, saí com o ex...estou quase me matando e essa carência não passa.

- Diana, você tem que ter paciência.

- Até quando, amiga? Será que eu nunca vou encontrar alguém que me mereça?
Adoraria que a Betina tivesse me respondido, mas era mais uma daquelas perguntas que só Deus saberia me dizer, mas até agora ele não disse. Enquanto isso, eu aguardo um sinal. Será que vai demorar demais?

PAPO DE CALCINHA: Qual é a sua receita para os momentos de carência?

8 comentários:

Bel disse...

Já fui muito muito carente, dessas chiclete mesmo. Apesar de hj estar com uma pessoa legal, não sei qual a receita, a única coisa que fiz foi deixar rolar! rs

Ótima história! Adoro seu blog.

Beijos

Carol Gazal disse...

Dizer "Deixa rolar", é muito fácil pra quem já arrumou um par de meias para aquecer os pés no inverno ... rs
Sinceramente não tenho essa receita, porque também vivo essa mesma situação. Então, por favor, se arrumar a receita primeiro, me passa!!! rs

Bju
Adoro suas histórias ...

Fernanda Guerra disse...

Quem não passa por isso né?
Eu já passei muuuito tempo na fossa assistindo filmes romanticos de baixo do ededrom , tomando sorvete ou chocolate, refrigerante, etc.. mas isso só serve pra engordar e ficar com um aparecia horrível. Eu sugiro tirar o fim de semana só, pra se cuidar , fazer aquela massagem no cabelo, fazer um limpeza de pele, um boa escova , escutando aquele som das bandas que você mais gosta bem alto. Focar na carreira também é ótimo! Se for alugar filmes escolha aquele bem engraçado de seção da tarde, ou aqueles bobos tipo american pie. Tente fugir do romance, eles são fazem mal, pois mostram sempre um amor inabalável e homens irresistíveis e mulheres invejáveis. Não é o que queremos ver no momento. Não adianta chorar pelo leite derramado , o importante é esperar o destino agir.
Beijos meninas e FORCA! rsrrs

Anônimo disse...

Eu estou passando por isso0 agora. :(
Meu ex era 25 anos mais velho q eu e hj eu sofro muinto, pq ninguem me vê como uma namorada mais sim como uma 'curtição', ñ sei mais o q fazer. Sou linda, e bem empregada...mais parece q isso ñ éo bastante...N tenho mais saco pra assistir filmes romanticos e escultar Jorge Vercilo, têr q vê minhas amigas ganhando presentes do namorado0, aff!
Meninas acho q vou trocar de time...lá eu vou fazer sucesso0..rsrsrsrsrs

Ass= Liah Ferrari, 19 anos Belém/Pa

Letícia Vidica disse...

Liah, não se desespere e nem troque de time rs. Tudo na vida são fases. Você é nova e merecedora de alguém legal. Mas, apesar da ansiedade ser a inimiga das mulheres, a paciência é solução para tudo.
Bjs Letícia Vidica

Anônimo disse...

hoje eu to muito carente,me sinto feia meu marido nao me beija mais acho que ele nao me ama mais,

Anônimo disse...

Tooooo carenteee...... ai nao aguento mais ficar assim! Meus amigos me pergunta:oq foii vc nao ta normal ... e da vontade de responder o mesmo.mais ai vem minha amiga e diz : ee mentira, vc ta. So pq quer tah!!! Maisss nao e verdadee

marcela thamires disse...

Eu nao sou chiclete mais to muito carente e to c saudds d gostar d alguem, de pensar em alguem ai e tenso...