sexta-feira, maio 21, 2010

ME DEIXE SÓ



Por Letícia Vidica

Trim, trim...

- Oi, Diiiiii – pela empolgação nem precisava adivinhar que era a Lili no telefone – te dou meia hora para se trocar que eu estou passando aí. Tem baladinha nova no pedaço. Vamos comer uma feijuca e curtir um padodinho hoje, que tal?

- Ah, valeu, Li. Mas eu não vou sair de casa hoje não. Vou ficar de pipoca e DVD. Aluguei uns filmes, comprei uns beliscos...tô sem clima de sair hoje.

- Como assim, Diana?! Vai ficar enfurnada nesse apartamento nesse sábado de sol? Eu não creio. O que houve? Tá de deprê? Não vai me dizer que bateu a depressão por causa do Pierre hein?

- Não é nada disso, Li. Eu só não quero sair. Tô afim de ficar quietinha no meu canto pode ser

Um pouco inconformada com a minha negativa, Lili desligou o telefone. Mas eu tinha direito de querer ficar quieta no meu canto. Eu tenho o direito de ficar só. O problema é que as pessoas nem sempre entendem isso. Por que será que querer ficar um pouquinho mais com você mesma incomoda tanto?
Sou uma pessoa que adora sair, ver gente, estar no meio do agito...mas tem hora que eu preciso recarregar as energias e eu gosto de ficar sozinha. Foi por essas e outras que optei por ter o meu próprio canto.

*************

Eu estava em mais um daqueles finais de semana da preguiça. Quase meio-dia e eu ainda estava de pijamas e de pantufas. Cama desarrumada e sem hora para arrumar. Cabelo despenteado. Nem ao menos me lembrava se tinha escovado os dentes.
Sentada no sofá, comecei a planejar o meu dia. Primeiro, iria me arriscar na cozinha fazendo um bolo de cenouras que peguei a receita num programa de culinária outro dia. Depois, ia me jogar na cama e ler mais uns dois capítulos daquele livro que eu comecei há uns dois meses. Então, vou me jogar debaixo das cobertas e assistir àquela comédia romântica (que eu já sei o final) – um dos dez filmes que eu aluguei para assistir no final de semana -, tirar um cochilo, ouvir uma música – ai que saudades daquela coletânea do Djavan...

Enquanto eu divagava em meus pensamentos por mais de uma hora esparramada no sofá, minha campainha tocou. “Ai, não. Visita não. Vou pedir pro porteiro dizer que nesse final de semana eu morri”. Abri a porta e nem sei por que fiquei surpresa ao ver Betina e Lili.

- Eu tinha que vir até aqui para comprovar se isso era verdade!!! Não to acreditando que você está mesmo de pijamas num sol desses?! – recriminava Betina

- E posso saber qual é o problema de ficar de pijama num sábado desses dentro da minha própria casa?

- Eu disse que não ia adiantar vir até aqui, Betina.

- E não adiantou mesmo, Lili. Nem vem que não tem que esse final de semana eu não arredo o pé de casa.

- Tá ficando louca, Diana?! Pode ir tomando um banho, colocando uma roupitcha que a gente vai piriguetar.

- Betina, eu não vou sair! – tive que ser dura para ela entender que eu não estava afim

- O que houve, Diana? Vai me dizer que tá com depressão melancólica? Só pode ser por causa do Pierre!

- Gente, não tem nada a ver com o Pierre. Como vocês são chatas hein? Eu só quero ficar sozinha no meu canto. Não estou afim de sair. Divirtam-se

Minhas amigas ainda ficaram mais uma hora tentando me convencer a sair de casa, mas eu estava decidida a ficar sozinha no meu canto. Eu tinha esse direito e a minha vontade ia ser cumprida. Depois de tanta insistência e sob várias recrimações contra a minha pessoa, elas foram embora

Resolvi então ir para a cozinha para começar a minha arte culinária. Enquanto isso, liguei o som no volume mais alto que pude e fiquei cozinhando e cantando juntinho com o Djavan

**************

Trim, trim, trim...
“Ai, não! Quem é agora? Se for as meninas, eu vou ter que engrossar...”

- Diana?

- Oi, mãe! – pior que as meninas me enchendo era ligação da minha mãe. Eu ia ter que escutar.

- Não sei para quê vocês compram essa baboseira de celular. Ninguém atende. Estou te ligando desde cedo e nada de você atender essa porqueira

- Tudo bem, mãezinha? O que manda?

- Estamos aqui na chácara da sua tia. Vem para cá. Os seus primos estão todos aqui.
- Ai, mãe, manda um beijão em todos, mas eu não vou sair de casa.

- Como não? Você adora vir para chácara. E está o maior sol!!!

“Caramba, São Pedro. Podia ter chovido esse final de semana NE? Talvez assim as pessoas entenderiam mais a minha vontade de ficar só”

- Eu sei, mãe. Mas eu não estou afim de sair de casa

- Aposto que tem homem no meio. Quem foi que te magoou dessa vez? Se foi o Pierre, eu mato ele.

- Calma, mãe. Não tem homem no meio e muito menos é culpa do Pierre. Eu só quero curtir o meu apê um pouco. Tenho mil coisas para fazer aqui

- Tem certeza que não aconteceu nada? Você tinha que vir. Mas nunca tem tempo para sua família mesmo né?

A minha mãe já não engolia muito bem o fato de eu ter ido morar sozinha. E muito menos entendia quando eu queria ficar sozinha. Sempre jogava sujo para me amolecer, mas hoje ninguém vai me fazer mudar de idéia.

***********

Resolvi voltar à cozinha e para o meu bolo de cenoura que já tinha assado enquanto eu conversava com a minha mãe no telefone. Falando nele resolvi desligar para que ninguém me achasse. Peguei um pedaço de bolo quente (eu adoro bolo quente), me joguei embaixo das cobertas e liguei o DVD.

Finalmente, consegui passar as duas horas do filme em paz e silêncio absoluto. Achava que o meu momento solidão estava começando ali. Depois do filme, adormeci, mas a campainha me acordou.

- Pierre?!

- Oi, Di.

- Tá fazendo o que aqui?

- Resolvi passar aqui para te ver, buscar um abrigo.

“Tudo que eu menos precisava era do Pierre quase às dez da noite na minha casa”

- Como assim buscar um abrigo?!

- Sabe como é né...bateu a saudade – dizia Pierre já me abraçando e com segundas e terceiras intenções

- Sinto muito, Pierre. Mas hoje não dá não. Volta outro dia...

- Vai sair?

- Não. Vou ficar aqui, mas to afim de ficar sozinha.

- Ixi...já vi tudo...tá menstruada...só pode ser TPM.

- Caramba!!! Será que eu não tenho o direito de querer ficar só? Todo mundo hoje deu para pegar no meu pé?

- Tá bom, tá bom...não precisa ser grossa. To indo embora. Falei que era TPM!!

Bati a porta na cara dele e fiquei bufando pela casa. Daí me dei conta que o dia estava acabando e eu não tinha conseguido ficar em paz comigo mesma. Uma coisa tão simples. Quem seria o próximo a me infortunar? Não atendo mais ninguém. Morri para o mundo.

Sentei na varanda com o meu livro e comecei a me deliciar na leitura e varei a madrugada lendo. Por incrível que pareça, consegui terminá-lo e só me dei conta de que o tempo tinha passado quando vi o sol raiar. E, graças a Deus, ninguém mais tinha me procurado.

Resolvi ir para cama para dormir. Eu não tinha pregado o olho a noite toda e precisava descansar. Quando eu me ajeitava para deitar, a campainha tocou. EU NÃO VOU ATENDER! EU NÃO VOU ATENDER!

A insistência foi tanta que resolvi atender. Era o meu síndico me lembrando que hoje tinha reunião do condomínio e que começaria dentro de quinze minutos. Tentei me esquivar, mas ele me lembrou de que eu já tinha faltado em três reuniões. Vesti um agasalho velho e fui pra tal reunião do condomínio.

Mal consigo me lembrar qual foi a pauta da assembléia porque os meus olhos não conseguiam parar abertos. Depois de minutos intermináveis,a reunião acabou e eu percebi – avisada pelo ronco do meu estômago – que eu estava sem comer nada desde o início da noite passada. Apenas tinha me alimentado de leitura.

Contra os meus princípios, fui até a padaria comprar pão. E, no retorno, na volta do meu prédio me deparei com a Betina.

- Resolveu sair de casa caramujo? Nossa que cara é essa? A noite foi boa hein? Sabia que você tinha outro compromisso e não quis me contar.

- Betina, pára de ser boba. Passei a noite em claro lendo um livro. E foi a coisa mais maravilhosa que consegui fazer nos meus poucos momentos de solidão.

- Mas vai abrir uma exceção hoje ou ainda tá de greve?

Eu adoraria ficar só também no resto do meu dia, mas vi que não ia dar certo. Resolvi levantar bandeira branca e voltar ao mundo. Subi para tomar um banho e depois fui almoçar com a Betina.

Cheguei a conclusão que da próxima vez que eu quiser ficar só, eu vou ter que ir para Marte ou me acampar no meio da floresta. Tudo porque é simplesmente impossível ficar só.

PAPO DE CALCINHA: VOCÊ TAMBÉM GOSTA DE FICAR SÓ NO SEU CANTO? TEM MUITA DIFICULDADE EM CONSEGUIR UM MOMENTO DE PAZ?

4 comentários:

GiGi disse...

Ahahahahahahah essa eu adorei!

Sacanagem, coitada da Diana! Justo naquele dia, todo o mundo resolveu encher o saco, rsrs

Eu gosto de ficar no meu canto, sim, eheheh. Sou muito na minha e às vezes é difícil de as pessoas entenderem isso. É gostoso ter momentos só para si!

Beijinhos

Anônimo disse...

Todas merecemos um momentinho de sossego. Comigo é igual! Já notaram que quando nós queremos alguma coisa pra fazer todo mundo some ou já tem planos e quando não queremos não faltam convites?! rsss Pelo menos comigo isso acontece! Adoro os seus posts! Bjsss

Anônimo disse...

Adorei seu blog!Cheguei aqui bem hj, por acaso... tenho mta saudade da época que eu tinha minhas amigas assim por perto para se preocuparem comigo... mto engraçado, vc querendo ficar sozinha e eu querendo todo mundo perto rs
Mas te entendo, de vez em qd tb preciso de momentos comigo mesma, tranquilos, mesmo q n esteja triste, mas p recarregar...
Beijo!

Anônimo disse...

Simplesmente adorei o seu blog.. e depois de uma noite chorada por um bolo que levei ... pretendo tmb passar o resto dos dias sorrindo... já tem mais uma fã! ;)