sábado, julho 26, 2008

CRISE DE IDENTIDADE


Por Letícia Vidica

- Tem gente que vai ficar mais velha amanhã...

- E isso é bom? – perguntava Betina com a amargura rotineira do dia anterior ao seu aniversário.

- Claro que é, Betina!

- Só se for para você que ainda desfruta da casa dos vinte porque para mim, a um dia dos 30 anos, isso é um peso!

Betina estava vivendo mais uma daquelas fases críticas do universo feminino. Ela estava passando pela crise dos 30. Há uma semana, minha amiga resolveu se enfurnar no seu apartamento e não sair mais. E lá estávamos eu e a Lili tentando convencê-la a pelo menos apagar as velinhas no dia seguinte.

- Ai, Betina, que deprê! Também não é pra tanto.

- Não adianta, Lili, vocês não me entendem! Ninguém me entende. Amanhã eu completo três, três décadas de vida e o que eu fiz da minha vida? Sou uma super executiva? Não. Casei com um homem rico? Não. Tenho um homem? Não. O que eu consegui da minha vida?!

Betina desandou a chorar. E nós tentamos todas as cartadas para animá-la até que desistimos, ou melhor, compreendemos que ela tinha o direito a passar por essas crises e por esse momento.

*****

- E aí tá melhor, Bê?

Com muito custo, conseguimos levar a Betina para bebemorar no bar do Pedrão a sua saúde.

- O que seria de mim se não fossem vocês?

- Ih...já vi tudo. Três copos de cerveja e começa a sessão melancolia. – dizia Lili já acostumada com a deprê de bêbado da Betina, ainda mais no dia do seu aniversário.

- É sério gente. Se eu não tivesse vocês, o que eu estaria fazendo hoje? Ninguém me ligou...nenhum flor, nenhuma telemensagem. A única carta que eu recebi foi uma conta atrasada!!!

Mais uma vez, Betina desandou a chorar e a dizer o quanto nos amava e o quanto a vida dela estava uma bosta. Resultado: 5 horas da manhã eu tinha como espetáculo a Betina vomitando no banheiro do meu apê.

***

Apesar de ter sido um porre aturar a minha amiga choramingando no dia do seu aniversário, aquilo tudo me fez refletir sobre a minha vida e sobre os meus objetivos.

Eu estava há 3 anos à beira dos trinta anos e também não havia cumprindo nem um quarto de tudo que eu planejei aos 15 anos. Será que eu ia conseguir cumprir em três anos? Eu tinha poucos dias para me tornar uma publicitária bem sucedida, ter um homem com H do meu lado, ficar sem dívidas, dar a volta ao mundo, falar 3 línguas, me casar e ser feliz para sempre... Será que o tempo seria suficiente para cumprir tudo isso? Será que eu serei a eterna solteirona, mal amada e sem filhos?

Nesses momentos de deprê, só uma pessoa podia me ajudar: minha mãe. Recorri ao seu colinho maternal para chorar minhas pitangas.

- O seu mal minha filha é que você sonha demais. Viva, dê tempo ao tempo. Deixe o tempo fazer as mudanças na sua vida e não queira você mudar o tempo.

- Mas são só três anos para isso, mãe? E se eu não conseguir?

- Será que você vai ser menos feliz por isso? Será que ter tudo isso de uma vez vai te deixar feliz?

As conversas com a minha mãe sempre terminavam com uma interrogação que ficava martelando a minha consciência por um longo tempo. E aquela foi mais dessas interrogações. E que eu ainda não consegui responder.

****

Não só eu e a Betina passávamos por algumas crises, como a Lili também. E a dela foi financeira. Lili era secretária de uma multinacional. Achava que seu emprego era vitalício, só porque já tinha dado umas voltinhas com o chefe. Mas tudo que é bom dura pouco...

- Ai, Diiiii – foi o que Lili conseguiu dizer aos prantos na porta do meu apartamento. Pedi que ela entrasse, se acalmasse e me contasse o que estava acontecendo.

- Eu, e-eeu f-fui mandada embora. Aquele canalha me escurraçou de lá e agora?

- Calma! Agora é olhar pra frente e seguir, minha amiga. Você tem potencial para coisa melhor.

- O pior é que eu to com o aluguel atrasado há 3 meses e vou ser despejada na semana que vem. O que eu faço?

- Se não se importar, posso dividir a minha cama com você.

- Ai, amiga, você me aceitaria?! ... Poxa, o que vale se matar por uma empresa, vestir a tal da camisa e levar um pontapé na manhã seguinte?! Eu estudei, me formei, fiz pós, fiz curso de línguas, me especializei para ser trocada por uma ‘estagiária’ e humilhada? De que adiantou tanto estudo?!

Estávamos na maior crise de identidade! Cada uma com a sua, mas unidas por uma crise que como todas as outras são passageiras. Elas vêm de uma forma que você não pode controlar, você se afoga nela, acha que não tem solução e quando menos espera até esqueceu que ela passou. Esse é o nosso mundo, o nosso universo.

O que seria de nós , mulheres, sem as crises? São elas que nos ajudam a achar a resposta certa nem que seja no momento errado: A Betina saiu da sua deprê quando descobriu como a maturidade dos 30 anos poderia ajudá-la a conquistar o que queria. Eu resolvi parar de me questionar e deixar tempo conspirar ao meu favor e a Lili aprendeu a ir a luta, coisa que ela não estava muito acostumada.

Agora eu aguardo o próximo Tsunami que vai chegar já, já. Só espero que eu não seja a vítima principal!

PAPO DE CALCINHA: Qual foi a sua pior crise de identidade?

6 comentários:

Carol Varani disse...

Ainda estou um pouco longe dos 30, mas hj acho q estou vivendo a tal crise. Estou no último ano da faculdade, ainda não trabalho na área e isso me frustra muito, tenho medo de não conseguir o emprego q eu tanto desejo e continuar nessa vida de escritório. Rompi meu relacionamento de 4 anos a 3 meses e ele era a pessoa c/ quem eu tinha a crtz de ser o homem da minha vida, c/ quem eu queria me casar, hj jah vejo q casar está + distante doq nunca e talvez eu fique pra titia mesmo, e acho isso nd bom. Mas acredito que possa ser coisa da idade, fase de escolhas e mudanças, mas é horrível não saber onde está pisando, onde isso vai dar. É de deixar qlqr um doido hehe Mas doq a gente tem crtz nessa vida além da morte? O jeito é tentar não surtar e abrir os braços pra receber os acontecimentos da vida sem medo de enfrentar. No final da tempestade dias ensolarados virão!
Assim espero! haha


**Achei seu blog por acaso e gostei bastante dos seus textos, coloquei um link no meu blog ok?
Parabens!
bjO

Dona Floristelika disse...

Olha so, eu ja passei a crise dos 30 e entrei na dos 35...rsrsrs
É minha querida Leticia... fiz mudanças radicais de cidade, de emprego e de paradigmas...inclusive sexuais!!!
E, de repente, como sua amiga... o chão me saiu dos pés. Me vi perdida em meio a um monte de coisas que eu tinha sonhado diferente e não tinha realizado ainda.
Acredito que agora, depois de um ano de crises de todos os tipos, estou voltando a meu centro e aceitando o que a Vida, o Mundo ou Eu mesma programei pra mim... estou me achando na cidade nova, no relacionamento que se mostra mais firme do que eu esperava e sozinha, longe dos amigos e da familia, porque os que fiz por aqui se perderam junto com minha crise...hahahahahaha
Hoje eu rio de tudo e não me esqueço de nada para que isso não me aconteça de novo, pelo menos não nas mesmas proporções.
Beijos,
Ruth

PS.: Visita o meu blog depois. Eu adoraria.

Anônimo disse...

Boa miote amigas. Meu nome é Deise estou com quase 30 anos, e estou vivendo uma crise de identidade ferrenha, ainda não consegui definir minha opção sexual, nem profissionalmente consegui me estabelecer,pois não páro em emprego nenhum,nem mesmo decobrir no que gosto de trabalhar, minha familia me chateia bastante, e não consigo ser uma boa mãe para a minha filha, sou muito impaciente. Não se o que fazer nem por onde começar...isto é muito triste, estou deprimida.

Anônimo disse...

Anónima
Oi amigas eu ainda tenho uma boa viagem a percorrer para chegar aos 30 anos, tenho 23 anos e estou nessa crise de identidae, não sei quem sou e pior não consigo ter certeza do que eu quero emocionalmente. Até aos 18 anos sonhava em me casar virgem mas aos 19 perdi a virgindade.Contudo não me amarrei mto nesse negócio de sexo, transei quatro vezes depois descobri que meu damo me traía e nos separamos e pratiquei abstenência.Agora to namorando com outra pessoa eem dois meses transamos cinco vezes antes não me sentia avontade c ele mas agora já me sinto embora continue não muito ligada ao sexo. Sinto que tenho que namorar para aprender mas ao mesmo tempo tenho medo as vezes acho que mesmo não sendo mais virgem ainda posso esperrar para depois do casamento mas nao consigo encontrar enquadramento nos meios sociais que me encontro: por um lado no mciclo acadêmico( sou estudante de sociologia, curdando o último ano na faculdade)por outro lado tem o meio religioso Cristão em que frequento e que pregam muito a CASTIDADE, meu sonho é primeiro casar e só depois ter filhos mas se eu namorrar acidentes podem acontecer, a tradição e modernidade se misturam em mim e eu não sei quem sou...

Anônimo disse...

Ola! Estou passando possando por uma crise de identidade. Tenho 26 anos, e namoro ha 4 anos e 7 meses,mas nossa relacao nunca deu um passo a frente,sempre namoramos as escondidas,hoje tenho recebido cobrancas por parte da minha familia e amigas em relacao a isso,e de um tempo para ca senti que tambem tenho essa necessidade de apresentar ele a familia,se possivel noivarmos,mas ele nao quer de jeito nenhum,o pior de tudo e que ele quer que seja eu a tomar a decisao,e eu n consigo me decidir. Vejo que nao realizei nada do que planejei quando tinha 18 anos,que era de que com essa idade terminar meu curso,trabalhar,tar casada e ter filhos.
Foi bom visitar teu blog e ver que nao sou a unica nessa situacao.
Beijos e abracos

Anônimo disse...

top [url=http://www.001casino.com/]001[/url] check the latest [url=http://www.realcazinoz.com/]casino[/url] autonomous no store perk at the best [url=http://www.baywatchcasino.com/]baywatch casino
[/url].