segunda-feira, janeiro 02, 2006

ANO NOVO,TUDO DE NOVO (MAIS VIVA 2006!)


É, galera...o ano novo chegou! As pessoas se animam, bebem todas, encontram a familia, perdoam os erros, esquecem da vida...afinal é ano novo e tudo que aconteceu ontem jáé é ano passado! Mas depois da bebedeira e da comilança exagerada, bate a ressaca, a dor de cabeça, sobe o ponteiro da balança sem parar, o stress, o trãnsito, a chuva, o IPVA...tudo volta, tudo de novo! Porém, ainda é Janeiro e este ano vai ser diferente...não é? Por isso, FELIZ 2006 à vocês.

Pra começar o ano com chave de ouro, aí vai mais umas das minhas gistórias malucas, com a minha personagem companheira imaginável e amiga Diana - ANO NOVO, TUDO DE NOVO...tenho certeza que você vai se identificar e gostar...modesta eu não?

ANO NOVO, TUDO DE NOVO!
Por Letícia Vidica


Ano Novo, sinceramente, me assusta! São doze meses, 365 dias, milhões de horas, minutos e segundos pela frente os quais você não faz a mínima idéia do que pode acontecer. Um ano é muita coisa. Um ano pode mudar a vida de uma pessoa. E é nisso que eu acredito (TODO ANO!) – que a minha vida vai mudar. Pelo menos, é o que dizem os pais de santo, espíritas, padres, aquela apresentadora de programa de culinária (que eu não assisto, apenas estava zapeando de canal), aquele tarólogo, aquela cigana, minha vizinha, minha mãe, meu signo e qualquer ser vivo que eu trombe antes da virada do ano.

Sei que não passa de uma grande bobagem, mas prefiro não duvidar. Todo ano é a mesma coisa e neste não foi diferente. Confesso que comprei, de última hora, uma calcinha vermelha (dizem que traz amor não é?), mas eu to precisando de tanto amor que acabei deixando a paz de lado e comprei logo um sutiã e um vestido vermelho, mas vermelho mesmo! Pulei sete ondinhas, sete não! Vinte e uma – sete pro amor, sete pro dinheiro e mais sete pro amor, só pra confirmar. Fiz um barquinho pra Iemanjá, comi lentilha, não comi galinha – minha vida já ciscou pra trás demais. Abracei o primeiro, segundo, terceiro e todos os homens que vi pela frente...de mulher já basta eu! E fiz promessas, milhares de promessas.

Prometi que, neste novo ano, vou ser boazinha com os homens. Não vou maltratá-los, vou tratá-los com carinho e se o Rubens não me ligar pra me desejar Feliz Ano Novo, tudo bem, eu vou entender! Prometi começar um regime, definitivamente, estou gorda demais. Logo na primeira semana de janeiro, vou me matricular naquela academia na esquina da minha casa (que tem um professor gatíssimo) e vou começar a malhar pro Carnaval e pra garantir os quilos a mais que vou ganhar na Páscoa também. Ah, vou procurar um novo emprego! Preciso me reciclar, fazer novos cursos, línguas, investir em mim! Chega de criar teia naquele escritório! Nas próximas férias, vou viajar! Porto Seguro, Salvador, Recife., Nova York ou Paris...qual será o meu destino? Pra isso, preciso economizar e economizar vai a ser a minha meta...chega de gastar dinheiro com coisas supérfluas – nada de sapatos , bolsas, roupas ou perfumes novos! O negócio é reciclar! Prometi e vou comprir, será?

Pelo menos, aquela cigana que eu, confesso, que fui junto com a Juju na última semana do ano disse que eu ia ser mais responsável este ano. Ela também disse que eu vou encontrar um novo amor, vou desatar um embaraço do passado (espero que ela não esteja falando do Paulinho, aquele cachorro!). Disse também que muitas propostas vão surgir neste ano...coisas novas estão pela frente. Confesso que sai de lá animada ou desanimada porque não foi nada legal deixar cinqüenta pilas em previsões que eu nem sei se vão acontecer, mas é melhor não duvidar!

***
Pelo menos, neste fim de ano, comecei fazendo algo diferente: fui passar o Reveillon na praia com as minhas amigas. Não em Copacabana, como eu queria. O nosso dinheiro só deu pra alugar um quitão na Cidade Ocian, na Praia Grande. Mas já é um bom começo para quem tinha que passar todo fim de ano na casa da vovó, agüentando o choro dos meus sobrinhos, as reclamações da tia Nana, as cobranças da tia Josefa e a velha pergunta de sempre: ‘Cadê seu namorado?’.

Pra começar o ano economizando, embarcamos no Terminal Jabaquara e partimos rumo ao nosso reveillon, banhado de muito sol, areia, cerveja, samba, entregas para Iemanjá, farofa na praia, crianças mijando na água, gente se esturricando no sol e na guerra por um espaço na areia. Aquela maravilha! Fim de ano perfeito para quem deseja ingressar com muita sorte no próximo.

Tudo que tinha que dar errado, deu! O apartamento, que no mapa, ficava há 2 quadras da areia...ficava há umas 10 quadras da praia – mas vamos pensar pelo lado positivo, já engatei o meu regime porque andar tudo aquilo embaixo de sol quente não era fácil. O quitão, na verdade, era um micro mini quite...mal cabiam as nossas malas lá dentro, que não eram poucas.

Nosso roteiro era: acordar às 11 horas (a gente bem que tentou ir correr de manhãzinha, mas sem chances), ir pra praia, sair de lá junto com o sol, beber muita breja, comer camarão, dar umas voltinhas na beira da praia pra exibir um pouco a nossa sedutora gordurinha localizada, celulite e estrias – que não eram nada comparadas às crateras daquela quarentona naquele fio dental laranja (que horror!)...

Esses passeios bem que valeram a pena,num desses eu conheci o Tobias Jr. Melhor, Junior né? Ele era de Sampa também e tinha vindo passar a virada do ano na casa de uns amigos em Long Beach. 25 anos, agente comercial, solteiro e disponível. Preciso dizer que ele virou meu casinho de praia? Apesar de eu ter engatado uma leve esperança de que esse romance ia subir a serra e eu já ia começar o ano com o novo amor que a cigana falou, mas engano meu! Nosso romance não saiu da areia. O Junior encontrou, numa dessas coincidências da vida, uma ex-namorada – loira, linda e vitaminada (que ódio!) e ele simplesmente desapareceu...acho que não teve coragem de admitir que foi curtir um feed back.

À meia-noite, me vi parada no meio daquele bando de gente (se alguém soltasse uma bomba, eu morreria na hora. Não tinha pra onde correr). Milhares de fogos explodindo sobre a minha cabeça, gotas e mais gotas de Sidra Cereser caindo sobre mim. Famílias felizes se abraçando, casais de namorados se beijando como da primeira vez, pessoas de fé, oferecendo e agradecendo aos seus deuses e eu – parada – no meio de tudo aquilo só pensando ...’É, Ano Novo! Tudo de novo!’




Um comentário:

Nicolle disse...

oii! adorei seu blog! beijinhos